Reverberações Performativas
na Dança Contemporânea Luso-Brasileira

Sinopse

A arte contemporânea vem esgarçando cada vez mais as suas redes de relações disciplinares e artísticas, transversalizando seus conhecimentos, suportes e ações. O afeto como modo de troca com o meio, pois para ser afetado a pessoa tem que ter afeto pela coisa, é um indicador primordial desta relação.

Um artista ao ser tocado pela experiência estética de um outro artista, remodela a despeito dos novos afetos, sua plasticidade artística sem perder sua estética primária. Neste sentido, nos interrogamos quais as transformações marcantes de uma experiência estética de um criador em outro criador? Quão devastadora é essa experiência a ponto de se abrir uma fenda na própria construção estética e conceitual de trajetória artística já consolidada? E quando se dá essa troca, o artista ao tecer uma teia de relação com estes outros modos de se pensar a criação e seus afetos, novas possibilidades se aportam para outras e diferentes experiências?

Esta comunicação buscará tocar em alguns pontos de contato entre dois campos da arte delimitados pela artes plásticas e dança contemporânea e entre dois países lusófonos a partir do diálogo poético-criativo com dois coreógrafos contemporâneos e duas artistas plásticas contemporânea que encontraram nos seus corpos o suporte necessário para expressar suas plasticidades estéticas.

Conferência

14 de Fevereiro

Ana Vitória, Daniel Tércio, Delfim Sardo,
Hélia Borges e João Fiadeiro

Sessões

21 de Fevereiro a 17 de Abril

8 sessões de 2 horas, uma vez por semana

Ana Vitória

Objectivos

  • Realizar experimentações criativas com o pesquisador/artista/sujeito em sua procura por um modo singular e autoral de (per)formar-se.
  • Accionar os arquivos corporais que vão construindo estruturas gestuais ao recuperar comportamentos, sentidos e estados afetivos que comunicam presenças e experiências, desestabilizando os conceitos formais e modelares de criação na arte.
  • Experimentar o Sistema (Re)Aprendizagens Afetivas - em diálogo com as proposições das artistas Lygia Clark (1920-1988) e Helena Almeida (1934-2018).
  • Experimentar os seus percursos e conceitos de naturezas híbridas, afim de verificar o alcance e disrupções causadas pelas transversalidades poéticas dadas pelas protagonistas e recriadas por seus interlocutores.

Destinatários

O curso destina-se a estudantes de artes performativas (dança, teatro, música) e de ciências sociais e também a investigadores do corpo com disponibilidade física para participarem em exercícios práticos.

Estudantes

50€

Público Geral

80€

Local

Faculdade de Motricidade Humana

Estr. da Costa, 1495-751 Cruz Quebrada