Como manter-se vivo?

6 a 7 de Fevereiro de 2020 | 17h às 19h30

8 de Fevereiro de 2020 | 10h às 12h30 e 14h às 16h30

Total: 12 horas

Local: Faculdade de Motricidade Humana | Edifício Esteiros

Sinopse

Marie Pons e Coline Gras têm uma longa colaboração que atravessa várias paisagens (dança, caminhada, escrita, conversa) e questiona forças humanas da dança. “Como se manter vivo?” é o desejo que ambas têm de partilhar este processo com os outros. Esta prática já foi compartilhada em vários lugares que possibilitam a pesquisa sobre dança em França (espaço 188, Universidade de Lille 3) e em Portugal (c.e.m. centro em movimento, Largo Residências). Um dueto que surgiu desse trabalho foi apresentado no espaço experimental do c.e.m., em Lisboa e no MOUAA do espaço 188, em Lille.

Um espaço vivo existe entre os corpos. Uma matéria viva que se modula, dobra, desdobra, pressiona e se estica como um acordeão. Um espaço de ressonâncias. A dois, com o propósito de dançar essas ressonâncias, de dançar a relação. Essas ressonâncias são como diferentes canais ou como as ondas do mar, transformando-se sem fim. Elas provocam as pulsações entre os corpos, uma matéria móvel a trabalhar.

Obejctivos

Com este curso pretende:

  • Através do movimento ativar uma atenção do que é estar presente neste momento;
  • Desenvolver através da dança a relação com o outro e consigo mesmo;
  • Descobrir o que acontece depois desse ato dançado a dois;
  • Refletir sobre os conceitos lançados na aula;
  • Partilhar as vivências e experiências dos exercícios realizados;
  • Questionar os temas propostos;
  • Libertar-se do julgamento crítico de si mesmo.

Destinatários

Estudantes de artes performativas (dança, teatro, música) e a todos os interessados nas práticas do corpo, incluindo pessoas sem experiência em dança, bem como a investigadores do corpo com disponibilidade física para participarem em exercícios práticos.

Formadores

Marie Pons

Mestre em Dança pela Universidade de Lille 3. Escreve para Mouvement, Inferno, Let’s Motiv. Contribui para a documentação de projetos de dança a nível europeu (projecto Dancing Museums, Festival Aerowaves, Carnet de Bord com Le Vivat). Participa no projeto web vídeo-dança All We Can Do is Dance. Faz parte de Les Démêlées, revista sobre a dança e a performance.

Coline Gras

Mestre em Dança pela Universidade de Lille 3. Cria a performance «Deslocar a abordagem». Formada em estudos do movimento e de pesquisa artística no c.e.m (2018). Cria com Carolina de Azevedo Gestos Pousados na Cidade (Festival Pedras 2017). É membro da Cia La Malagua onde realiza laboratórios e jam de dança. Em 2018, na residência Demora, apresentou o seu solo Les Soirs d’Été. Fundou o projeto Dépaysager, em colaboração com o Centro de Arte Contemporânea Nau Côclea, a Associação Equestre Le Mas de la Riera e o refúgio de montanha do Raz da Carança.

Local

Faculdade de Motricidade Humana

Estr. da Costa, 1495-751 Cruz Quebrada